Uma última cimeira para impedir que a Líbia se torne numa nova Síria

Berlim recebe este domingo vários dirigentes mundiais para tentar alcançar um acordo de cessar-fogo entre os dois grupos que combatem pelo poder na Líbia.

A cimeira deste domingo em Berlim representa um último esforço para travar os combates na Líbia entre os grupos rivais que procuram impor-se num país em colapso contínuo. Uma década de vazio do poder transformou a Líbia em mais um campo de batalha na guerra silenciosa entre as grandes potências no Norte de África e no Médio Oriente.

O momento é dos mais críticos, depois de nove meses de combates em que 280 civis e dois mil combatentes foram mortos, para além de dezenas de milhares de pessoas desalojadas. Ao mesmo tempo, o conflito líbio caminha cada vez mais para uma internacionalização, semelhante à que ocorreu na Síria e no Iémen, cuja consequência mais imediata será a escalada da violência e o afastamento de uma solução diplomática.

“Se for permitido que os desenvolvimentos na Líbia continuem, então a Líbia será a próxima Síria e não queremos que isso continue”, disse o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, esta semana. Em Abril do ano passado, as forças do antigo general Khalifa Haftar, que controla o Leste da Líbia, lançaram uma ofensiva rumo a Trípoli, a capital do Governo reconhecido pela ONU. Depois de uma progressão rápida, a situação nos últimos meses é de impasse.

Num sinal de esperança, Haftar garantiu esta semana estar comprometido em chegar a um acordo para um cessar-fogo em Berlim. Esse é o objectivo primordial da cimeira convocada pela chanceler alemã, Angela Merkel. Mas para isso é preciso resolver um dos quebra-cabeças mais intrincados – e, por isso, perigosos – da geopolítica contemporânea.

A simples escolha dos participantes no encontro de Berlim tem sido objecto de debate, mostrando como são mais que muitos os actores internacionais a quererem, literalmente, um lugar à mesa para discutir a Líbia. É o caso da Grécia, que encara com extrema desconfiança o envolvimento cada vez maior da Turquia no conflito. A gota de água foi a assinatura de um acordo de cooperação marítima e militar entre os Governos de Trípoli e Ancara. O acordo, que inclui concessões dos direitos de exploração no Mediterrâneo, colide directamente com os interesses de Atenas, que tem na Turquia o seu principal rival.

Sem convite para Berlim, o Governo conservador grego recebeu Haftar em Atenas, numa visita que aparentemente apanhou todos de surpresa. Na quinta-feira, o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, anunciou que “nunca irá aceitar qualquer solução política” que mantenha em vigor o acordo assinado entre a Turquia e o Governo de unidade nacional, considerado “inaceitável” e “ilegal” pela Grécia.

“Partilha da Líbia”

O Estado líbio ruiu em toda a linha depois do derrube do ditador Muammar Khadafi, em 2011, com o apoio de uma intervenção da NATO. Desde então, vários grupos, tribos, senhores da guerra e extremistas têm combatido pelos seus próprios interesses, aproveitando um vazio de poder que permanece por ultrapassar. Neste momento, dois governos lutam pela legitimidade: um com sede em Trípoli e apoiado pelas Nações Unidas, e outro em Tobruk, no Leste do país, cujo homem forte é Haftar.

O jogo decisivo não é, porém, jogado entre os dois rivais, mas sim a um nível superior, entre as potências estrangeiras que têm muito a perder – e a ganhar – com aquele que venha a ser o futuro da Líbia. “Preocupações com a segurança energética, terrorismo, os fluxos de migrantes e refugiados, e o avanço das respectivas indústrias de defesa e alianças estratégias no Médio Oriente, causaram uma ‘partilha da Líbia’ dos tempos modernos”, escreve a analista Alice Alunni, num artigo para o Aspen Institute Itália.

A ofensiva de Abril veio introduzir um factor inédito com potencial de tornar o conflito ainda mais destrutivo. Assistindo à possibilidade de os seus aliados líbios poderem vir a perder Trípoli, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou no final de Dezembro que iria autorizar o envio de militares para o terreno. A ajuda turca começou a chegar nos últimos dias, incluindo rebeldes sírios, de acordo com alguns relatos.

Do outro lado, o Governo russo não tem deixado Haftar de mãos a abanar. Mercenários russos ligados à empresa Wagner têm combatido nas fileiras das forças do governo de Tobruk, apesar de o Kremlin insistir que não tem tropas no terreno – o regresso de alguns nos últimos dias é visto como uma forma de pressão de Moscovo sobre o seu aliado. Outro importante aliado de Haftar são os Emirados Árabes Unidos, cruciais no apoio aos ataques aéreos. A monarquia do Golfo olha com muita desconfiança para as forças do Governo de Trípoli, que diz serem compostas essencialmente por militantes jihadistas.

A União Europeia tem visto o seu papel cada vez mais relegado para segundo plano. A iniciativa parece estar dependente da Rússia e da Turquia, especialmente com a entrada em cena do poder militar de cada um. Há poucos dias, Moscovo recebeu um encontro entre os dois líderes líbios rivais, em que também teve participação turca, apanhando Bruxelas completamente de surpresa. Apesar de não ter conseguido alcançar um cessar-fogo duradouro, a iniciativa mostrou a influência crescente dos poderes fora da UE.

“É bastante surpreendente ver a que ponto a Rússia e a Turquia foram capazes de forçar os seus ‘clientes’ líbios a aceitar compromissos que são dolorosos para cada um”, disse ao Le Monde o investigador do Instituto Alemão de Relações Internacionais e Segurança Wolfram Lacher.

À perda de centralidade das discussões sobre a Líbia juntam-se as divisões no seio da UE. Em França, a simpatia por Haftar – com quem Paris colaborou em operações contra o Daesh – quebra o consenso europeu, contrariando até a orientação das Nações Unidas. O desenvolvimento do conflito trouxe para o lado do antigo general de Khadafi importantes compradores de armamento francês, como o Egipto, os Emirados Árabes Unidos ou a Arábia Saudita. A ofensiva de Haftar contra Trípoli também cimentou a ideia de que é ele o homem certo para estabilizar o país, perante a fragilidade do Governo de Fayez al-Sarraj.

Para o Governo italiano, a grande prioridade é impedir a travessia de migrantes e refugiados que usam a Líbia como principal porta de saída do continente africano rumo à Europa – leia-se à costa italiana. Desde 2017, que está em vigor um acordo entre Roma e o Governo de Trípoli em que a guarda costeira líbia, financiada por Itália, detém barcos com migrantes a bordo e os reenvia para a Líbia. As Marinhas dos dois países também têm realizado patrulhas conjuntas com esse intuito.

A par de todas estas estratégias convivem os interesses económicos despertados pela Líbia, que dispõe das maiores reservas de petróleo de África e uma forte posição no mercado do gás natural. No horizonte de cada um dos actores que se reúne este domingo em Berlim estão também os potenciais contratos lucrativos que a vitória do cavalo em que apostaram pode garantir às suas empresas.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x