Transição no Mali: para a junta, “todas as opções estão em cima da mesa”

por: jeune afrique- adaptação capgb 17-09-2020

No final da reunião da CEDEAO em Acra, a organização da África Ocidental ameaçou a junta com um “embargo total” se o poder não for rapidamente entregue a um presidente e primeiro-ministro de transição civil. A junta afirma, contudo, que a opção de um presidente militar permanece em aberto.

A junta iniciou na quarta-feira o processo de nomeação destes funcionários para liderar o Mali durante uma transição que trará os civis de volta ao poder de uma vez por todas, disse aos jornalistas o Coronel Ismaël Wagué, porta-voz do Comité Nacional para a Salvação do Povo (CNSP).

Mantém as suas opções em aberto para a nomeação de personalidades militares, como desejaria, ou civis, como requerido pela CEDEAO, acrescentou ele. “Todas as opções estão sobre a mesa”, disse ele.

Os líderes da África Ocidental reunidos no Gana na terça-feira exortaram a junta a nomear imediatamente um presidente e um primeiro-ministro de transição civil.

A CEDEAO levantará as sanções impostas a 20 de Agosto, dois dias após o putsch que derrubou o Presidente Ibrahim Boubacar Keita, assim que estes dois líderes forem nomeados, disse o comunicado final da cimeira.

A Junta pede tempo, Os representantes da junta que vieram ao Gana pediram à CEDEAO que “lhes desse tempo” para regressar e realizar as consultas necessárias, disse o Coronel Wagué no acampamento de Kati, a cerca de 15 quilómetros de Bamako, onde a junta tem a sua sede. Ele deixou claro que a preferência da junta era por uma transição militar, e assegurou que era também a preferência da maioria dos malianos, expressa em consultas com os partidos políticos e a sociedade civil na semana passada. Mas disse estar disposto a ter em conta as expectativas da CEDEAO.

A CEDEAO, que solicitou que a transição não excedesse 12 meses, concordou que a mesma durasse 18 meses, como previsto na “carta” adoptada pela junta para organizar a transição. Mas, por outro lado, “disseram que as suas condições não são negociáveis”, disse o Coronel Wagué.

“Disseram mesmo que, por enquanto, as sanções ainda não são duras (…) Se insistirmos, eles são capazes de fazer um embargo total, ou seja, fechar totalmente as fronteiras: nada entra, nada sai e seremos sufocados rapidamente”, disse ele.

A 20 de Agosto, a Cedeao decidiu suspender as trocas financeiras e comerciais com o Mali, com excepção das necessidades básicas, medicamentos, equipamento de controlo da covid-19, produtos petrolíferos e electricidade. Na terça-feira, os dirigentes da junta não obtiveram o levantamento ou a flexibilização destas medidas.

Estas medidas são preocupantes num país encravado que enfrenta uma profunda recessão económica, para além da propagação do jihadismo, da violência comunal e do fracasso generalizado do Estado.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x