Saúde Publica: Hepatite B ocupa 4ª posição no ‘ranking’ das doenças que mais afetam no país

Por: Laércia Valeriana Insali

A ONG ENDA Tiers-Monde realizou esta quinta-feira 12/05/2022 a segunda reunião do comité nacional de pilotagem do projeto CARES (programa de pesquisa sobre saúde sexual e resistência ao VIH), num dos hotéis da capital.

Na cerimónia de abertura, o Diretor nacional da ENDA disse que a reunião permitirá realização do balanço das atividades feitas desde 2018 e discutir sobre próxima fase do projeto apesar de estar na reta final, mas com perspetiva de continuidade.

Mamadu Aliu Djalo confirmou que no momento da implementação do projeto o país não tinha uma estrutura governamental responsável pela parte das hepatites uma vez que a situação epidemiológica não é favorável e a prevalência continua elevado em relação aos países da sub-região, isto porque, a Guiné-Bissau não dispõe de documentos estratégicos e claros para a intervenção dos problemas ligados a HPV e HBV.

Conforme Aliu, das três doenças abordadas no projeto nomeadamente VIH, HBV e HPV, o HBV ou seja hepatite B ocupa a quarta posição em termos de pesos de doenças que mais afetam enquanto VIH SIDA está na quinta posição.

«Para Guiné-Bissau foram implementadas ações mais no domínio do VIH e HPV, e nos trabalhos feitos os estudos indicam a existência de HPV do tipo 16, 45 e 18, na qual num total de 33,7% positivos 14% são do tipo 16, todavia, estão na lista do tipo que pode terminar em cancro de colo de útero» rematou

Por outro lado, o diretor da ENDA anunciou que no âmbito do projeto destacaram também que em termos de inspeção de cancro do colo de útero mais de dois mil mulheres foram diagnosticas e dentre elas acima de metade está vivendo com VIH.

Preocupado com a conjuntura, evidenciou que das mulheres que seguiram, cerca de meia dúzia foram incluídos na lista para evacuação por terem desenvolvido cancro avançado, porque os dispositivos instalados não permitem o tratamento destas, mas que por falta de tratamento urgente e de atraso de junta medica apenas uma mantem viva dentre elas.

Por fim, a secretária-geral do secretariado nacional da luta contra SIDA, reiterou que os dados apresentados são alarmantes, a saúde da população e particularmente das mulheres está em risco, portanto, considera que país precisa unir forças para fazer face a toda essa situação.

Vale recordar que, o referido projeto visa melhorar o estado de saúde da população de Casamança e da Guiné-Bissau, através do reforço de capacidades dos sistemas de saúde na assistência clinica e comunitária dos problemas ligados a VIH, HBV, e HPV.

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: