Ruanda: um relatório de investigadores franceses aponta “responsabilidades” a França no genocídio de Tutsi em 1994

Um grupo de investigadores, convocado por Emmanuel Macron para analisar o papel da França no genocídio no Ruanda, apresentou na sexta-feira o seu relatório ao Presidente da República.

Trata-se de um relatório histórico. Neste texto entregue sexta-feira, 26 de Março, ao Presidente da República, investigadores franceses salientam as “pesadas e condenatórias responsabilidades” da França, que esteve maciçamente envolvida no Ruanda a partir dos anos 90, e “alinhada” com o regime Hutu do país, no genocídio de Tutsis no Ruanda em 1994.

As conclusões deste relatório, apresentadas ao Presidente Emmanuel Macron e consultadas pela AFP, apontam para “o fracasso da França no Ruanda”, salientando no entanto que “nada vem demonstrar” que foi “cúmplice” no genocídio que causou pelo menos 800.000 mortes segundo a ONU. A comissão, presidida pelo historiador Vincent Duclert, foi criada em 2019 por Emmanuel Macron.

O papel central de Mitterrand
O papel de François Mitterrand, presidente da República na altura, é particularmente salientado. “A França investiu durante muito tempo do lado de um regime que encorajava os massacres racistas. Permaneceu cego à preparação” do genocídio e “este alinhamento com o governo ruandês é o resultado de um desejo por parte do Chefe de Estado e do Presidente da República.

Esta relação, associada a uma “interpretação étnica” da situação no Ruanda, justificou “a entrega de quantidades consideráveis de armas e munições ao regime de Habyarimana, bem como o amplo envolvimento dos militares franceses no treino das forças armadas ruandesas”.

Na altura do genocídio, a França “foi lenta a romper com os responsáveis, e continuou a colocar a ameaça da RPF (Frente Patriótica Ruandesa, a ex-rebelião Tutsi que pôs fim ao genocídio) no topo das suas preocupações”, escrevem os historiadores. “Reagiu tardiamente” com a operação militar-humanitária Turquesa entre Junho e Agosto de 1994, “que salvou muitas vidas, mas não as da grande maioria dos tutsis ruandeses exterminados nas primeiras semanas do genocídio”, acrescentam eles.

com AFP

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: