Ruanda: um relatório de investigadores franceses aponta “responsabilidades” a França no genocídio de Tutsi em 1994

Um grupo de investigadores, convocado por Emmanuel Macron para analisar o papel da França no genocídio no Ruanda, apresentou na sexta-feira o seu relatório ao Presidente da República.

Trata-se de um relatório histórico. Neste texto entregue sexta-feira, 26 de Março, ao Presidente da República, investigadores franceses salientam as “pesadas e condenatórias responsabilidades” da França, que esteve maciçamente envolvida no Ruanda a partir dos anos 90, e “alinhada” com o regime Hutu do país, no genocídio de Tutsis no Ruanda em 1994.

As conclusões deste relatório, apresentadas ao Presidente Emmanuel Macron e consultadas pela AFP, apontam para “o fracasso da França no Ruanda”, salientando no entanto que “nada vem demonstrar” que foi “cúmplice” no genocídio que causou pelo menos 800.000 mortes segundo a ONU. A comissão, presidida pelo historiador Vincent Duclert, foi criada em 2019 por Emmanuel Macron.

O papel central de Mitterrand
O papel de François Mitterrand, presidente da República na altura, é particularmente salientado. “A França investiu durante muito tempo do lado de um regime que encorajava os massacres racistas. Permaneceu cego à preparação” do genocídio e “este alinhamento com o governo ruandês é o resultado de um desejo por parte do Chefe de Estado e do Presidente da República.

Esta relação, associada a uma “interpretação étnica” da situação no Ruanda, justificou “a entrega de quantidades consideráveis de armas e munições ao regime de Habyarimana, bem como o amplo envolvimento dos militares franceses no treino das forças armadas ruandesas”.

Na altura do genocídio, a França “foi lenta a romper com os responsáveis, e continuou a colocar a ameaça da RPF (Frente Patriótica Ruandesa, a ex-rebelião Tutsi que pôs fim ao genocídio) no topo das suas preocupações”, escrevem os historiadores. “Reagiu tardiamente” com a operação militar-humanitária Turquesa entre Junho e Agosto de 1994, “que salvou muitas vidas, mas não as da grande maioria dos tutsis ruandeses exterminados nas primeiras semanas do genocídio”, acrescentam eles.

com AFP

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x