Reunião conjunta entre os exércitos da Guiné-Bissau e senegalês : Para uma cooperação sustentada mais adaptada aos desafios de segurança comuns

Ziguinchor foi o quadro deste fim-de-semana de uma reunião bipartida de cooperação operacional entre os comandantes das Zonas Militares da República da Guiné-Bissau, e os seus homólogos Senegalesas n.ºs 5 e 6 e os seus homólogos especialmente os das Províncias do Norte e do Leste. A reunião foi alargada às forças de defesa e segurança de ambos os países e visava permitir que os dois exércitos se empenhassem em várias estratégias de segurança comuns na sua fronteira comum.

Exércitos que estão conscientes da crescente ameaça do terrorismo e do crime organizado ao longo da sua fronteira comum de 340 km de comprimento.

Uma melhor consideração partilhada das ameaças à segurança de vários tipos é necessária para as Forças Armadas na sub-região da África Ocidental. É por isso que, na opinião do Coronel que comanda a Zona Militar nº 5, é urgente relançar a cooperação na área da defesa e da segurança e criar mecanismos para assegurar a zona transfronteiriça comum entre Guiné-Bissau e Senegal.

Coronel Souleymane Kandé na sua locução disse garantir, para estes dois países, a segurança, a fluidez dos fluxos populacionais ao nível das fronteiras livres e assegurar as bases para o desenvolvimento económico e social.

“É verdade que sempre houve intercâmbio e partilha de informações entre as zonas militares fronteiriças dos dois países, mas uma cooperação sustentada mais adequada aos desafios de segurança comuns terá necessariamente de ser posta em prática”

O comandante da Zona Militar N.º 5. O Comzone Souleymane Kandé convidou assim os seus pares da Guiné-Bissau para uma nova parceria, menos ambiciosa mas mais concreta. Este é também o significado da reunião bipartidária realizada este sábado em Ziguinchor e cujo tema foi

“Segurança transfronteiriça: Que mecanismos para uma melhor consideração dos desafios de segurança na fronteira comum”.

O objectivo era reforçar os laços seculares entre os dois países, relançar a cooperação bilateral entre as forças de defesa e segurança dos dois países e criar mecanismos para enfrentar os desafios de segurança na fronteira comum entre os dois países. É por isso que, em nome do Tenente-General Birame Diop, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (Cemga), e em nome de todas as forças de defesa e segurança senegalesas, o Comandante da Zona Militar 5, que presidiu à reunião, expressou a sua gratidão às forças de defesa e segurança da Guiné-Bissau pela sua contínua cooperação e empenho em encontrar soluções para os problemas transfronteiriços comuns a ambos os países.

E este sábado em Ziguinchor, os dois exércitos, organizados em grupos de trabalho durante a reunião, investiram plenamente um dia inteiro para desenvolver as melhores abordagens para ter em conta os desafios de segurança que serão formalizados num documento conjunto assinado por ambas as partes. Esta foi uma oportunidade para primeiro fazer um balanço dos problemas de segurança na fronteira e depois criar mecanismos para garantir a segurança na zona transfronteiriça, a fim de assegurar a protecção e a livre circulação de bens e pessoas entre os nossos dois países e de prevenir conflitos intercomunitários.

“Os nossos dois países partilham mais de 340 km de fronteira comum, que é o local de trocas económicas e de interpenetração sociocultural entre populações com a mesma cultura e um destino comum. Portanto, sem segurança, não há vida em paz e não há vida possível na sociedade”, disse Souleymane Kandé durante o seu discurso. Para quem o espírito desta reunião é também dissipar tensões transfronteiriças a nível comunitário, mas também questões de segurança.

“Trata-se também de levar as Forças de Defesa e Segurança a encontrar uma plataforma para a troca de informações e a partilha de informações, para que todos os desafios de segurança possam ser tidos em conta de antemão e para que possamos actuar em conjunto de forma eficaz em todas as ameaças às nossas fronteiras”, disse o chefe do Exército em Casamança.

Souleymane Kandé acredita que a cooperação operacional, acordos e partilha de informação sempre existiram entre os dois países após a independência da Guiné-Bissau.

E para citar o caso do Senegal que, diz ele, serviu de base traseira para o movimento de libertação naquele país.

O Comandante da Zona Militar do Norte na Guiné-Bissau, Coronel Sana Mancanha, chefiando uma forte delegação, agradeceu às autoridades militares senegalesas por este convite de extrema importância. Ele prometeu transferir os resultados desta reunião para a hierarquia militar do país.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

Ligue-nos

Share on Social Media
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x