presidenciais na Guiné Conacri: Cellou Dalein Diallo é candidato a “surpresa geral”

Cellou Dalein Diallo, o líder da oposição guineense, anuncia a sua candidatura para as eleições presidenciais de 18 de Outubro de 2020. De acordo com a União das Forças Democráticas da Guiné (UDFG), o seu partido, esta decisão foi tomada na sequência de uma consulta interna. Cellou Dalein Diallo irá finalmente desafiar Alpha Condé pela terceira vez nas urnas após os seus fracassos de 2010 e 2015.

Após as hesitações das últimas semanas, deve dizer-se que Cellou Dalein Diallo era esperado no ponto de viragem da sua decisão de participar nas eleições presidenciais, mesmo que isso signifique legitimar a dupla legislatura e referendo ou abster-se como Sidya Touré da UFR e Lansana Kouyaté do PEDN, para continuar a luta no seio da Frente Nacional de Defesa da Constituição (FNDC) para impedir que Alpha Condé, no poder desde 2010, se candidate a um terceiro mandato à frente da Guiné.

À espera de ser oficialmente investido pelo seu partido, a UDFG, este domingo, 6 de Setembro, Cellou Dalein Diallo vê as coisas de maneira diferente “Sou candidato nas eleições presidenciais para perder Alpha Conde nas urnas (…) Ele já perdeu a confiança do povo, quero estar lá para ser o portador de esperança para o povo da Guiné”, disse ele, “é para honrar a memória e a dignidade dos jovens mortos, temos de continuar a lutar. Retirar para manter o silêncio é ser cúmplice dos criminosos. (….)” acrescentou Fodé Oussou Fofana, o vice-presidente da UDFG.

Esta decisão, que é bastante improvável e terá obviamente graves consequências políticas para ele e para o seu partido, será difícil de defender perante a opinião pública e a coligação FNDC. Uma vez que equivale a supor que o principal partido da oposição está a ignorar todas as violações constitucionais que permitiram ao Presidente Alpha Condé “pagar uma nova constituição” e ter um novo parlamento eleito, legitimando ao mesmo tempo a candidatura do presidente cessante.

Tudo isto, tendo consciência de que as eleições presidenciais de Outubro que estão a tomar forma não oferecem qualquer garantia de transparência e terão lugar sob a bandeira da nova constituição contra a qual dezenas dos seus activistas, a maioria dos quais foram mortos.

De momento, os funcionários da UDFG não apresentam argumentos irrefutáveis que expliquem esta inversão de 360 graus da sua posição no registo eleitoral e todas as condições de transparência necessárias para ir às eleições presidenciais, incluindo a retirada definitiva de Alpha Condé do processo.

Será esta realpolitik ultrajante ou um desejo excessivo de chegar ao poder, quaisquer que sejam as condições? Esta candidatura, que leva todos contra o grão, ainda não terminou de revelar todos os seus segredos.

F.A

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x