(PNUD) Andreia Teixeira: “Nenhuma instituição pode enfrentar sozinha o crime organizado e tráfico de drogas”

Por: Ussumane Baldé

CMICS com em parceria com PNUD, capacita jornalistas em matérias de branqueamento de capital negócios e financiamentos ilícitos.

O objetivo do seminário é de apoiar mídias em analisar e reportar sobre o impacto da économia ilícita no desenvolvimento de um estado e na construção de uma opinião pública informada sobre corrupção, violação dos direitos humanos e tráficos de droga, bem como promover a transparência nas investigações ligadas aos mesmos.

Dando a abertura oficial do seminário ontem 28-03, a representante do PNUD, Andreia Teixeira, sublinhou que nenhuma instituição pode enfrentar sozinha os desafios do crime organizado e do tráfico de drogas, por isso considerou o papel crucial que as mídia têm para incentivar e encorajar a participação proativa da população no combate a impunidade e garantiu a continuidade do PNUD em apoiar no fortalecimento entre as instituições, dos mídia assim como a sociedade civil.

“As mídia têm papel muito importante no combate aos crimes organizados por isso devem ser tomadas em consideração e por nosso lado vamos sempre dar o nosso apoio”.

Teixeira ainda, lembrou que o país não fica imune aos efeitos perniciosos do tráfico de droga e a criminalidade organizada e encorajou as formandas e formandos presentes para aproveitarem a oportunidade para reforçarem um diálogo ativo, qualificado, pois o país que está em causa.

“A Guiné-Bissau não fica imune, pois está a braços com problemáticas ligadas a corrupção, branqueamento de capital e ao tráfico de drogas”.

O diretor da ONG AD e o presidente de conselho da administração do CMICS Tumane Camará, na sua curta declaração, felicitou o apoio dado pelo PNUD para a realização deste seminário e pediu os participantes a levarem em consideração os ensinamentos.

“Este seminário é muito importante para levar em conta pois, vai ajudar no combate a impunidade no país e agradecemos o PNUD pelo apoio”.

Este seminário de formação é apoiado pelo PNUD no âmbito do projeto “observatório da sociedade civil da économia ilícita”, uma parceria com a iniciativa global contra o crime organizado transnacional, cujo objetivo é apoiar mídias em analisar e reportar sobre o impacto da economia ilícita no desenvolvimento da Guiné-Bissau e tem a participação de vários jornalistas dos diferentes órgãos de comunicação social do país sob a orientação da Lucinda Barbosa Ahukharié, deu início na manhã de segunda-feira,28-03-2022, no bairro de Quelele/Bissau, junto as instalações da ONG AD e termina esta terça-feira, 29-03-2022.

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: