PAIGC: Décimo congresso adiado, nova data será anunciada

O décimo congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que deveria começar na quinta-feira, foi adiado para data ainda a definir, disse hoje à Lusa o presidente da comissão organizadora, Manuel “Manecas” dos Santos.

Antigo comandante durante a luta armada pela independência da Guiné-Bissau, “Manecas” dos Santos explicou à Lusa que o adiamento se deve a uma providência cautelar interposta por “um ex-militante” contra o partido e que, disse, “estranhamento foi aceite pelo juiz”.

O décimo congresso deveria decorrer de 10 a 13 deste mês em Bissau.

“Foi introduzida uma providência cautelar por um ex-militante do partido a que o tribunal deu provimento, impedindo-nos de prosseguir com os trabalhos”, disse.

Questionado sobre como foi possível que um ex-militante consiga intentar uma ação judicial contra um partido, o presidente da comissão do congresso remeteu a resposta para o juiz.

“Isso terá de perguntar ao juiz que aceitou essa providência cautelar. Foi militante, mas já não é”, observou o antigo comandante da guerrilha do PAIGC.

“Manecas” dos Santos notou que não é “futurologista”, mas acredita que o congresso terá lugar, numa data que não sabe precisar.

“Vamos fazer o congresso, não sei quando, mas vamos fazer, assim que conseguirmos levantar a questão do tribunal vamos realizar a conferência de escolha de delegados de Bissau e marcar a data do congresso”, indicou o dirigente.

O PAIGC já realizou as conferências de escolhas de delegados ao congresso em todas as regiões do interior do país e da diáspora, faltando apenas os de Bissau.

O ex-militante interpôs a providência cautelar, alegando ter sido injustamente excluído das listas de possíveis delegados ao congresso pelo círculo 25 em Bissau.

Segundo o regulamento do décimo congresso, aquele militante não poderia ser selecionado nas bases por, alegadamente, ter-se afastado do PAIGC, ao filiar-se, entretanto, numa outra formação política, tendo regressado ao partido novamente.

Os regulamentos de congresso preveem que só é selecionado para o congresso o militante que nos últimos quatro anos tenha estado nas estruturas do PAIGC “em pleno exercício de militância, o que não é o caso deste camarada”, explicou à Lusa um elemento do secretariado do partido.

Na sequência desta providência cautelar, um contingente da Guarda Nacional impediu no passado dia 05 de fevereiro a realização da conferência para escolha final de delegados do Setor Autónomo de Bissau, como fez nas estruturas das restantes regiões.

Um dos advogados do partido disse à Lusa que neste momento decorrem diligências na Vara Cível do Tribunal Regional de Bissau onde foi interposta uma impugnação à providência cautelar.

Quanto ao facto de já se encontrarem em Bissau cerca de três dezenas de delegados ao congresso vindos da diáspora, “Manecas” dos Santos lamentou a situação, mas observou que se aqueles não puderem esperar vão ter de retornar aos países onde vivem e trabalham.

O dirigente entende que o PAIGC “deve continuar a respeitar a lei”, espera que “os outros também cumpram com a lei” e avisa que “tudo tem limites”.

“Temos de respeitar as leis deste país senão a Guiné-Bissau não vai a lado nenhum”, sublinhou “Manecas” dos Santos.

in-Lusa

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: