MINISTRO DA EDUCAÇÃO. ” Pacificação, Organização e Execução das políticas administrativas são prioridades do sector educativo.”

O Governo da Guiné-Bissau através do Ministério da Educação Nacional e Ensino Superior procedeu esta terça-feira 29 de Setembro de 2020 o fecho do ano lectivo 2019-2020, exceptuado nas instituições do Ensino Superior e Técnico Profissional em fase de conclusão do ano lectivo e consequente abertura solene do novo ano escolar 2020-2021 que terá 218 dias lectivos incluindo os sábados como dias lectivos obrigatórios.

A cerimónia que teve lugar Ana Escola Nacional de Administração ENA em Bissau foi presenciada pelos parceiros internacionais, representante dos 5 sindicatos da educação, Confederação nacional das Associações Estudantis da Guiné-Bissau (CONAEGUIB), pais e encarregados de educação e demais intervenientes no sector educativo guineense.

No seu discurso de abertura, o Ministro da Educação Nacional Arsénio Djibril Baldé afirmou que a

” pacificação do sector educativo, organização e execução das políticas do governo e a administração do processo educativo são das prioridades do seu pelouro.” Tendo reconhecido que a pandemia do novo coronavirus abalou fortemente o sector.

” Ao longo dos anos temos assistido violências no sector educativo guineense, começando pelas sucessivos greves no sector dos professores, provocadas pela falta de pagamento atempado de salários, falta de condições mínimas para o exercício docente e o mais incrível falta de diálogo sincero e permanente ” Notou para de seguida afirmar que

” o ano lectivo 20109 foi fortemente abalado pela pandemia provocada pela Covid-19. “

Na sua comunicação, o titular da pasta da Educação, sublinhou que a o sector Educativo Guineense precisa mais do que nunca de uma política clara e eficiente que permita o desenvolvimento de processos de aprendizagens verdadeiras e desejáveis para todos os guineenses. Por isso segundo Djibril Baldé a segunda prioridade é organizar o sistema de funcionamento administrativo das estruturas centrais regionais e até ao nível das escolas, recolocando recursos humanos a altura dos desafios de momento.

O presente ano lectivo 2020-2021 é subordinado ao lema ” Estabilizar a Educação perante a Pandemia do Covid-19 ” através de uma dinâmica de ações concertadas e participativas, com base num diálogo permanente entre todos os atores do Sector Educativo com vista a criar um clima de paz que possibilite organizar e mobilar recursos que possam implementar medidas e politicas constantes no programa do governo do governo.

De acordo com Djibril Baldé o objectivo do governo é construir uma educação de qualidade e de igualdade de oportunidade na construção do seu futuro, não deixando ninguém para trás, ou seja, garantindo que nenhuma criança, adolescente ou jovem abandone o sistema de ensino.

Baldé frisou que a concretização do sonho de uma Guiné-Bissau desenvolvida, inclusiva, democrática aberta ao mundo, moderna, seguira, com pleno emprego e liberdade plena, depende apenas da capacidade de conceber, planear executar e monitorizar, sobretudo, ao nível da Educação.

O Ministro da Educação afiançou que o governo quer uma Guiné-Bissau inclusiva e com igualdade de oportunidades entre as pessoas e entre as regiões construindo um futuro onde os professores da pré-escolar ao ensino superior, estejam motivados, empenhados e com competências adequadas para formar um cidadão com valores da democracia, competitivo e capaz de exercer um cidadania plena.

Arsénio Djibril Baldé diz ainda que o atual governo está empenhado em resolver os pendentes com a classe docente nomeadamente conclusão do processo de reclassificação, atribuição de subsídios previstos na Carreira Docente, ajustamento dos salários e consequente elaboração de um projecto de decreto-lei para a extinção da Tabela salarial diferenciado no âmbito da implementação do Estatuto da Carreira Docente em vigor e clarificação conjunta dos beneficiários das dividas ainda existentes para uma posterior negociação e fixação das modalidades da sua liquidação.

O impacto negativo da pandemia do novo coronavirus, não escapou o olhar do titular da pasta da Educação Nacional. Frisando que a crise financeira que se vive no mundo vai obrigar enfrentar enormes desafios, tendo em conta ao período económico difícil que exige uma maior responsabilidade na execução das ações apelando aos professores e inspectores uma maior responsabilidade na ministrarão e avaliação dos conteúdos lectivos.

Apesar de reconhecer que as infra-estruturas escolares estão ainda muito abaixo das necessidades resultante do crescimento demográfico e da população escolar, Djibril Baldé apela aos pais e encarregados de educação, uma maior participação fazendo acompanhamento efectivo e sistemático dos seus educandos.  

No seu discurso, a representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância, (UNICEF) e dos parceiros técnicos e financeiros do sector da educação, Ainhoa Jariguebeteia reconheceu que com o surgimento da pandemia do novo coronavirus o ano 2020 tem sido difícil para todos os sectores e em particular o sector educativo, uma vez que, a aprendizagem foi interrompida para mais de 87 porcento da população estudantil do mundo comprometendo o bem-estar das crianças em cerca de 165 por cento dos países.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos