Marrocos-Israel: a caminho da plena normalização diplomática

Donald Trump anunciou na quinta-feira 10 de Dezembro que Marrocos se tinha comprometido a normalizar as suas relações com Israel, como três outros países árabes já tinham feito recentemente, e que os Estados Unidos tinham reconhecido a soberania marroquina sobre o Sahara Ocidental. “Outro avanço HISTÓRICO hoje”, escreveu o presidente dos EUA no Twitter. “Os nossos dois GRANDES amigos, Israel e o Reino de Marrocos, concordaram em normalizar completamente as suas relações diplomáticas – um grande passo em frente para a paz no Médio Oriente!

Na véspera de Hanukkah, o feriado judaico comemorativo da reinauguração do Templo reconquistado de Jerusalém, o Presidente Donald Trump, Jared Kushner e Avi Berkowitz facilitaram a normalização total das relações entre Israel e Marrocos. O Reino torna-se o quarto país árabe a pôr fim ao embargo diplomático com Israel nos últimos 4 meses!
O Presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, na quinta-feira, deu outro golpe diplomático ao anunciar que Marrocos normalizaria as suas relações com Israel, e que os Estados Unidos reconheceram a soberania marroquina sobre o Sahara Ocidental. Do lado do Reino, o anúncio de Trump sobre o Sara tem sido descrito como uma “posição histórica”.

“Mais um passo histórico em frente hoje em dia”, tweetou Donald Trump. “Os nossos dois grandes amigos, Israel e o Reino de Marrocos, concordaram em normalizar completamente as suas relações diplomáticas – um grande passo em frente para a paz no Médio Oriente”! Após o anúncio da administração Trump, Rabat confirmou mais tarde que retomaria as relações diplomáticas com o Estado judaico. Numa conversa telefónica com Donald Trump, o rei marroquino Mohammed VI indicou que o seu país “retomaria os contactos oficiais e as relações diplomáticas com Israel o mais rapidamente possível”, de acordo com uma declaração divulgada posteriormente pelo Palácio Real.

Por seu lado, o Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu também saudou um acordo “histórico”, referindo-se ao estabelecimento em breve de “voos directos” entre os dois países. O Egipto, o primeiro país árabe a normalizar as suas relações com Israel sob Sadat, não ficou à margem porque o seu Presidente, Abdel Fattah al-Sissi, por seu lado, falou de “um passo importante para uma maior estabilidade e cooperação” na região. Para além do facto histórico que isto representa no concerto das nações, vale a pena sublinhar que os dois países já tinham no passado concluído acordos conhecidos como os “Acordos de Abraão”.

De facto, Marrocos e Israel já tinham aberto escritórios de ligação em Rabat e Tel Aviv nos anos 90, até ao seu encerramento no início dos anos 2000. O Bahrain e os Emirados Árabes Unidos já concordaram nos últimos meses em normalizar as suas relações com Israel, no quadro dos chamados “Acordos de Abraão”, liderados pela Casa Branca representada por Jared Kushner, genro e conselheiro de Donald Trump. O Sudão também concordou, em princípio, em fazer o mesmo e, segundo Jared Kushner, o reconhecimento de Israel pela Arábia Saudita é “inevitável”. Segundo várias fontes, houve reuniões secretas, particularmente no que diz respeito ao intercâmbio de informações entre Riade e Telavive.

Até há pouco tempo, Marrocos tinha mantido uma posição consistente sobre a resolução do conflito israelo-palestiniano, afirmando-se a favor de uma solução de dois Estados com Jerusalém Oriental “como a capital” do Estado a que os palestinianos aspiram e contra a política de colonização de Israel nos Territórios Palestinianos Ocupados. O Rei de Marrocos preside ao “Comité Al-Quds” [Jerusalém em árabe], criado pela Organização de Cooperação Islâmica para trabalhar pela preservação do património religioso, cultural e urbano da Cidade Santa. A visita do Papa Francisco em Março de 2019 foi uma oportunidade para ele reafirmar o seu desejo de “preservar” Jerusalém como “local de encontro e símbolo de coexistência pacífica”. O soberano marroquino assegurou ao Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, o contínuo “compromisso permanente e sustentado de Marrocos para com a justa causa palestiniana”. Isto não é um “reconhecimento” de Israel, sublinhou um diplomata marroquino sénior, apesar de existirem há muito laços entre os dois países, particularmente devido à grande comunidade judaica de origem marroquina em Israel, que conta cerca de 700.000 pessoas.

Contrapartida geopolítica

A questão da normalização das relações entre Rabat e Israel foi relançada em Fevereiro de 2020 por ocasião de uma visita oficial a Marrocos pelo chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo. A Administração americana cessante quer lançar as bases de uma diplomacia aberta entre os países árabes e o seu aliado israelita com vista, por um lado, a conter o reposicionamento do Irão e o avanço de Moscovo e Ancara na região desde o conflito sírio.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x