Maria da Conceição Évora defende a necessidade da realização do mapeamento geral das pessoas vulneráveis do país

Por: Martinho Mendes

A ideia da Ministra da Mulher Família e Solidariedade Social foi registada esta terça-feira, 10-08-2021, a margem do encontro mantido com o representante residente do programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) na qual revelou que, durante o encontro foram abordados assuntos ligados ao gênero e a implantação da lei de paridade na Guiné-Bissau.

A governante chama atenção as autoridades nacionais sobre a necessidade de fazer o mapeamento geral para identificar as pessoas consideradas vulneráveis ou carenciadas a nível de todo território nacional.

“Recentemente o PNUD financiou um mapeamento feita pela federação das pessoas com deficiência no único sector e, é preciso ir além com objetivo de fazer mapeamento geral para saber o número das pessoas carenciadas que existem na Guiné-Bissau” defendeu.

Évora salienta que, a lei de paridade no país não está a ser respeitada contudo prometeu trabalhar para que essa lei seja respeitada na Guiné-Bissau.

Para o representante do PNUD na Guiné-Bissau Tjark Egenhoff, admitiu que é uma boa ideia o mapeamento geral tendo em conta a vulnerabilidade das tabancas.

Tjark Egenhoff afirma que , trata de um processo complexo mas que é importante para criar políticas públicas do país.

Ministério da Mulher Família e Solidariedade Social e PNUD, apelam governantes do país a procederem com mapeamento geral como forma de identificar pessoas mais carenciadas.

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: