Manifestações na Guiné Conacri: regime Condé entre a mais assassina de sempre

a Amnistia Internacional diz que pelo menos 50 pessoas foram mortas impunemente

A organização não governamental que defende os direitos humanos acaba de colocar o regime Alpha Condé na sua postura de assassinato de guineenses.

A repressão dos protestos na Guiné, particularmente aqueles contra a reforma constitucional que permite ao Presidente Alpha Condé procurar um terceiro mandato, resultou na morte de pelo menos 50 pessoas em menos de um ano, disse a Amnistia Internacional num novo relatório divulgado hoje, quase duas semanas antes das eleições presidenciais.

O relatório, Walk and Die : A Justiça Urgente para as Vítimas da Repressão de Manifestações da Guiné documenta a responsabilidade das forças de defesa e segurança, por vezes associadas a grupos de contra-demonstração, por assassinatos ilegais de manifestantes entre Outubro de 2019 e Julho de 2020.

Também documenta 200 feridos, detenções e prisões arbitrárias e a detenção incomunicável de pelo menos 70 pessoas durante o mesmo período. Por medo de represálias, vários feridos de bala fugiram das suas casas. As autoridades hospitalares também se recusaram a aceitar os corpos das vítimas mortas durante certas manifestações.

“Falámos com famílias que foram feridas e que descreveram como os seus filhos perderam a vida por terem sido baleados nas costas, peito, cabeça ou pescoço. As pessoas feridas disseram-nos como os seus braços, joelhos e pés foram gravemente feridos por armas, gás lacrimogéneo e mesmo por veículos das forças de segurança”, disse Samira Daoud, Directora Regional da Amnistia Internacional para a África Ocidental e Central.

“O exercício do direito à liberdade de reunião pacífica continua a ser perigoso na Guiné, onde a impunidade das violações dos direitos humanos tem permanecido a regra durante a última década. Espera-se que as autoridades tomem medidas concretas para garantir justiça para as vítimas e as suas famílias. »

Com base em entrevistas com mais de 100 indivíduos e análises de documentos oficiais, vídeos e fotografias, o relatório fornece provas de que as autoridades actuaram em contravenção às normas nacionais e internacionais. As forças de defesa e segurança utilizaram armas de fogo ilegalmente em várias cidades por todo o país.

Entre Outubro de 2019 e Fevereiro de 2020, mais de 30 pessoas foram mortas durante as manifestações contra a proposta de alteração constitucional. Destas, 11 foram mortas por balas, atingidas na cabeça, peito ou abdómen.

Repressão mortal no dia do referendo

22 de Março de 2020, o dia das duplas eleições legislativas e referendárias boicotadas pela oposição, foi particularmente mortal, com pelo menos 12 manifestantes mortos, nove dos quais por tiros.

A Amnistia Internacional recebeu vários testemunhos e fotografias e vídeos autenticados que confirmam o envolvimento de grupos de jovens contra-demonstradores ao lado das forças de defesa e segurança.

O mototaxista de 18 anos Alpha Oumar Diallo foi morto a tiro a 22 de Março e espancado até à morte por contra-demonstradores em Conakry.

Um membro da sua família disse: “Os gendarmes alvejaram um dos jovens. Alpha Oumar veio para o salvar e ele foi baleado na perna. Depois vieram manifestantes e espancaram-no. Morreu alguns minutos mais tarde. »

Entre Abril e Julho de 2020, sete pessoas foram mortas durante manifestações a favor de um melhor fornecimento de electricidade, e durante protestos contra a gestão das barragens sanitárias instaladas no contexto da luta contra o Covid-19.

Dezenas de pessoas foram feridas por tiros

A Amnistia Internacional tem documentado dezenas de ferimentos de bala. Por exemplo, pelo menos 15 pessoas foram feridas durante as marchas de Outubro e Novembro de 2019, oito das quais por armas de fogo, de acordo com entrevistas realizadas pela organização com vítimas e pessoal médico.

Um pedreiro de 29 anos de idade tornou-se paraplégico a 14 de Outubro de 2019 depois de ter sido baleado pelo pescoço e pelas costas.

Ele disse à Amnistia Internacional: “Estávamos a caminhar em direcção aos gendarmes que estavam protegidos por capacetes. Um deles, camuflado, disparou contra nós. Alvejou um amigo que foi morto instantaneamente e depois alvejou-me. Ele estava escondido, eu não o vi… Peço às autoridades que tomem conta de mim para que eu possa recuperar a minha saúde e voltar a andar. Não consigo dormir por causa da dor. »

As forças de defesa e segurança feriram ocasionalmente pessoas ao atingirem-nas com um veículo, ou como resultado de fogo de pistola lacrimogénea. Um homem morreu dos seus ferimentos poucos dias depois de ter sido atropelado por um veículo da gendarmeria no dia 22 de Março.

afrique-vision/capgb

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x