Justiça: “Caso 1 de fevereiro está sob domínio do ministério público”, ministra da justiça

TERESA ALEXANDRINA “Constatamos muitas dificuldades em termos de recursos humanos e principalmente na Polícia Judiciária, pela dimensão da sua missão e o número de pessoal e meios matériais.

Por: Ussumane Baldé

Ministério da justiça e dos direitos humanos está a acompanhar de longe caso dos militares detidos na ocorrência da tentativa do golpe de estado no passado mês de fevereiro, no palácio do governo, vitimando onze pessoas e varios outros feridos, disse Teresa Alexandrina da Silva.

Em declarações à imprensa no final da visita que efetuou hoje às diferentes instituições sob sua tutela, disse constatar muito sacrifício, entrega, profissionalismo e vontade de cumprimento da missão do pessoal.

“Constatamos muitas dificuldades em termos de recursos humanos e principalmente na Polícia Judiciária, pela dimensão da sua missão e o número de pessoal e meios matériais. É preciso perceber o elevado sentido patriótico para trabalhar naquelas condições”, lamentou a governante.

Que no entanto sublinhou que o caso dos militares detidos como suspeitos na sequência do caso 1 de fevereiro, está sob controlo do ministério público, “estamos acompanhar de longe, e o ministério público está a fazer o seu trabalho”, assumiu a ministra.

Teresa Alexandrina da Silva, que foi nomeada ao cargo da ministra da justiça e dos direitos humanos, ja la vão quarenta e cinco dias, enumerou a falta de recursos humanos e equipamentos como factores de handicap na execuçao das tarefas dos funcionários nas diferentes instituições que visitou, “muitos casos foram ultrapassados,e resto vamos completar imediatamente”,

De recordar que, a ministra da justiça e dos direitos humanos,visitou ontem 14-03-2022,o centro de acesso a justiça de Bissau velho, direção nacional da polícia judiciária, direção nacional da Interpol e centro de produção de bilhete biométrico e na manhã desta terça-feira,15-03-2022,esteve na conservatório de registo civil de bairro Missira, comissão nacional dos direitos humanos no mesmo bairro, conservatório de registo civil de bairro militar e conservatório de registo civil de Santa luzia.

Como disse o objetivo principal é de constatar in-loco os funcionamentos e as dificuldades deparadas, e em fim não descartou a possibilidade de alargar as visitas iniciadas em Bissau para as regiões.

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: