Guiné-Conacri: Condé saúdavel, País suspenso da União Africana

A delegação da CEDEAO enviada à Guiné-Conacri após o golpe militar que derrubou Alpha Conde no domingo passado chegou ao fim. Os ministros dos Negócios Estrangeiros do Gana, Togo, Burkina Faso e Nigéria deixaram Conakty nesta sexta-feira 10-09 à noite. Encontraram-se com a Coronel Mamady Doumbouya, chefe do Comité Nacional de Recuperação e Desenvolvimento que tomou o poder. Como solicitado, a delegação visitou Alpha Conde.

Ele está “muito bem”, de acordo com vários membros da delegação que o viram esta tarde e falaram com ele no quartel-general das forças especiais em Conakry. Era a prioridade desta missão: assegurar a saúde e as condições de vida do presidente deposto preso no domingo. Ao deixar o campo do CNRD, que é ultra seguro e sobrevoado por um zangão, Jean-Claude Kassi Brou, presidente da comissão da CEDEAO, fez uma declaração muito breve

“Tivemos reuniões com o Comité de Recuperação Nacional, com o Comité de Recuperação Nacional chefiado, naturalmente, pela Coronel Mamady Doumbouya. Tivemos intercâmbios muito positivos e também tivemos a oportunidade de nos encontrarmos com o antigo Presidente Alpha Condé, pelo que também trocámos com ele. Informaremos os Chefes de Estado sobre os resultados dos nossos intercâmbios.

Assim, sobre o futuro de Alpha Conde agora, sobre uma possível libertação, “foram iniciadas discussões”, disse o secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros guineense que está a agir como interino mas “o princípio está adquirido”, disse Fanta Cissé no aeroporto rodeado por oficiais militares. Ela fez uma avaliação “muito positiva” destes intercâmbios.

Estas reuniões começaram ao fim da manhã num grande hotel em Conakry. As discussões foram primeiro conduzidas do lado do CNRD pela Gendarmerie Coronel Balla Samoura, a que se juntou um pouco mais tarde a Coronel Mamady Doumbouya, chefe do CNRD, acompanhada por uma procissão de veículos blindados. “Ele foi muito aberto, muito franco”, segundo o Ministro dos Negócios Estrangeiros ganês, que concluiu: “viemos para estabelecer contacto, está feito, e vamos continuar este diálogo.

A União Africana suspende a Guiné-Conacri

Tal como a CEDEAO na quarta-feira, a União Africana suspendeu a Guiné dos seus órgãos, anunciou o Conselho de Paz e Segurança da organização.

A suspensão era esperada. No início de Junho, o Mali tinha sofrido a mesma sanção após um segundo golpe de Estado em nove meses e isto dois dias após ter sido suspenso da CEDEAO. Três meses mais tarde, o cenário repete-se: a União Africana suspendeu ontem a Guiné dos seus órgãos 48 horas após a instituição sub-regional. O Conselho de Paz e Segurança da UA tinha-se reunido na segunda-feira, um dia após o golpe, para considerar a situação no país. Mas este órgão responsável pelos conflitos e questões de segurança “decidiu esperar e alinhar-se com a CEDEAO”, disse uma fonte dentro da organização regional, assegurando que a UA se alinhará novamente se tiver de tomar outras sanções. A CEDEAO disse quarta-feira que iria “reexaminar a situação da Guiné de acordo com o resultado dos acontecimentos e após o relatório da sua missão diplomática”.

No ano passado, a CEDEAO impôs principalmente sanções económicas ao Mali após o primeiro golpe de Estado. Estas sanções foram levantadas após os militares malianos se terem comprometido a um período de transição de não mais de dezoito meses.

A UA pede também ao Conselho de Segurança da ONU que aprove o comunicado final da CEDEAO.

com/RFI

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x