Ecos de Conacri: “Esta é uma proclamação prematura”, que é “nula e sem efeito” CENI

CAP-GB 19-10-2020 BISSAU

Embora os resultados oficiais não sejam esperados antes do final da semana, o adversário Cellou Dalein Diallo reclama a vitória sobre o presidente cessante Alpha Condé.

adversário guineense Cellou Dalein Diallo, o principal adversário do presidente cessante Alpha Condé, afirmou na segunda-feira 19 de Outubro de 2020 ter ganho as eleições presidenciais “desde a primeira volta”, sem esperar pelos resultados oficiais, correndo o risco de desencadear agitação num país onde os nervos estão em bruto há meses.

“Meus caros compatriotas, apesar das anomalias que mancharam as eleições de 18 de Outubro e tendo em conta os resultados que saíram das urnas, sou vitorioso nesta eleição desde a primeira volta”, disse Cellou Dalein Diallo à imprensa.

“Não cabe a um candidato ou a uma pessoa declarar-se vencedor fora dos organismos definidos pela lei”, respondeu Bakary Mansaré, número 2 da Comissão Nacional Eleitoral Independente (Céni), que foi entrevistado pela AFP.

“É uma proclamação prematura”, que é “nula”, acrescentou, sublinhando que era necessário esperar que Céni publicasse os seus resultados – “até ao final da semana”, disse ele – e depois que o tribunal constitucional se pronunciasse, antes de ser conhecido o vencedor oficial das eleições presidenciais.

Durante um final tenso da campanha, o partido de Diallo, a União das Forças Democráticas (UFDG), disse temer que fosse “roubado” da vitória, como tinha feito em 2010 e 2015 contra Cellou Dalein Condé, que concorre para um terceiro mandato controverso.

Num boubou azul-celeste, chapéu e máscara anti-covida, Cellou Dalein Diallo proclamou-se o vencedor à tarde da sede da sua formação, no subúrbio operário de Conakry, que foi invadido por apoiantes montados nos telhados dos edifícios anexos.

“Convido todos os meus compatriotas que amam a paz e a justiça a permanecerem vigilantes e mobilizados para defender esta vitória da democracia”, acrescentou Diallo, que concorria pela terceira vez nas eleições presidenciais aos 68 anos de idade.

A sua declaração, com apenas dois minutos de duração, foi saudada por gritos de alegria dos seus apoiantes e gritos de “Cellou president” ou “merecida vitória”, disseram os jornalistas da AFP.
Os apoiantes já estão a gritar vitória

Centenas de pessoas saíram ao longo do eixo pelos subúrbios para celebrar aquilo a que chamam vitória e para assistir às corridas de motocicletas, buzinando os seus chifres e fazendo acrobacias para expressar o seu júbilo.

As forças de segurança em material anti-motim foram destacadas em grande número no cruzamento principal, utilizando gás lacrimogéneo para dispersar os apoiantes de Cellou Dalein Diallo que se tinham reunido perto da sua casa, de acordo com um fotógrafo da AFP.

O acampamento de Diallo, que diz estar preocupado com as fraudes, tinha anunciado que iria publicar os resultados que tinha compilado com dados de todo o país, sem remeter o assunto para a comissão eleitoral ou, mais tarde, para o tribunal constitucional, que considera estar sob o controlo das autoridades.

O Primeiro-Ministro Ibrahima Kassory Fofana, que é também director de campanha do presidente cessante, avisou no domingo à noite que chegar à frente do Céni seria o mesmo que “alimentar o fogo”. “Está a criar as condições para uma situação de degradação que se vai descontrolar”, disse ele.

Quase 5,5 milhões de guineenses foram chamados no domingo para escolher de entre 12 candidatos o próximo presidente deste país pobre, apesar dos seus imensos recursos naturais. A competição foi entre o Alpha Condé, de 82 anos, e o seu adversário de longa data, Cellou Dalein Diallo.

Esta eleição, a primeira de uma série de cinco eleições presidenciais na África Ocidental antes do final de 2020, teve lugar num clima de tensão que suscitou receios de agitação em torno do anúncio dos resultados, num país habituado a confrontos políticos sangrentos.
A perspectiva de um terceiro mandato

A importância da etnicidade aumenta a volatilidade da situação. Uma segunda ronda, se for realizada, está agendada para 24 de Novembro. Durante meses, a oposição mobilizou-se contra a perspectiva do terceiro mandato de Alpha Condé. O protesto, lançado em Outubro de 2019, foi duramente reprimido. Dezenas de civis foram mortos.

O número de mandatos presidenciais é limitado a dois. Mas para Alpha Condé, a Constituição que ele tinha adoptado em Março para, segundo ele, modernizar o país, repõe o seu contador a zero.

A campanha acrimoniosa foi prejudicada por invectivas, incidentes e confrontos que deixaram vários militantes feridos. Um antigo opositor histórico que em 2010 se tornou o primeiro presidente democraticamente eleito após anos de governo autoritário, Alpha Condé afirma ter reparado um país que tinha encontrado em ruínas e avançado em matéria de direitos humanos.

Cellou Dalein Diallo, o tecnocrata propõe “virar a página do pesadelo de 10 anos de mentiras”, castigando a deriva autoritária, a repressão policial, a corrupção, o desemprego juvenil e a pobreza.

com-AFP

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x