Dia mundial de combate à seca: Guiné-Bissau pretende alcançar a Neutralidade na degradação das Terras até 2030

Por: Epifania Correia Gomes

Celebra-se hoje o dia mundial de combate à seca e a Desertificação, cujo o lema “ Todos juntos para vencer a seca”.

Entretanto,  na Guiné-Bissau a data não passou despercebida, Sandji Fati, novo Ministro da agricultura e desenvolvimento rural disse esta sexta feira 17.06.2022, que o dia mundial de combate à seca e a desertificação que se celebra, concentra-se na recuperação de terras degradadas contribuindo na resiliência económica, criação de emprego, segurança alimentar, conservação da biodiversidade, sequestração dióxido de carbono, permitindo assim a redução dos impactos das alterações climáticas.

“ Se comprometermos restaurar a nível mundial cerca de 800 milhões de hectares de terras degradadas até 2030, poderemos proteger a humanidade e o planeta Terra ameaçado” disse.

Ainda Sandji assegura que agricultura tem um papel importante a desempenhar neste contexto, a sua passagem para a “ agricultura durável é inteligente” reduzirá a pobreza e criará cerca de 200 milhões de postos de emprego, em particular aos mais pobres do mundo até 2050.

Por outro lado o responsável da agricultura  disse apesar de grandes dificuldades económicas e financeiras, a Guiné-Bissau é um país com imensa potencialidades agrícolas e florestais, mas, é um dos países mais afetados, na última década, pelo fenómeno da seca e degradação das terras, nomeadamente nas regiões do Leste e do Norte.

“Com as metas e medidas específicas a implementar no quadro do seu programa,  a  Guiné-Bissau pretende alcançar a Neutralidade na degradação das Terras até 2030, com um crescimento absoluto em cerca de 40.000 hectares de florestas recuperados” explicou ministro Fati, que prosseguiu ainda que hectares de florestas recuperadas, ou seja, um aumento de 1,5% sobre a produtividade atual das terras ou até 2030, espera-se a recuperação de mais de 600.000 toneladas de Stock de carbono no solo, que representa média acima dos 70% como resultado das medidas a implementar” Frisou Sandji Fati.

Cada cidadão deve plantar uma árvore, pelo menos uma vez por ano, assim sendo, todas as espécies são bem- vindas pelas suas virtudes ecológicas e financeiras.
 

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: