Com uma primeira rede comum a oito países, a fibra óptica está a chegar à África Ocidental

Um cabo submarino de fibra óptica já corre ao longo da costa africana, mas é na parte terrestre do continente que resta o trabalho mais árduo a ser feito.

os últimos dois meses, uma rede de fibra óptica tem vindo a ligar oito países da África Ocidental, uma estreia na região. Enquanto a África Oriental e Austral já têm fortes redes terrestres de fibra, a África Ocidental estava a ficar para trás. Mas o operador de telecomunicações Orange deu agora a volta à situação.

Denominada Djoliba, depois do rio Níger na língua Mandinga, esta primeira rede da África Ocidental combina 10.000 km de cabos submarinos para ligar a África Ocidental a outros continentes e 10.000 km de cabos terrestres para assegurar a comunicação sobre uma população de 330 milhões de pessoas no Burkina Faso, Costa do Marfim, Gana, Guiné, Libéria, Mali, Nigéria e Senegal.

Rede transfronteiriça
Até agora, as redes de telecomunicações na região foram construídas dentro de cada país, mas sem uma rede transfronteiriça. Esta infra-estrutura pretende, portanto, ser um factor poderoso na integração económica da sub-região, ao mesmo tempo que acelera a conectividade de muito alta velocidade com o resto do mundo.

A largura de banda excedida pelo cabo de fibra óptica será utilizada por indivíduos e empresas da região, mas também comercializada a outros operadores, fornecedores de serviços de Internet e produtores de conteúdos, tais como canais de televisão. “Com Djoliba, as populações locais terão um acesso ainda mais fácil aos serviços de saúde e educação, bem como aos usos oferecidos pela cloud computing”, disse Alioune Ndiaye, CEO da Orange Middle East and Africa, a 10 de Novembro de 2020.

“Em África, o número de pessoas ligadas é ainda de apenas 350 milhões em 1,3 mil milhões de habitantes, mas este número está a crescer rapidamente. É 20 vezes maior do que há 15 anos, mesmo que as desigualdades ainda sejam significativas.

Alioune Ndiaye, Directora da conferência de imprensa da Orange Middle East and Africa
40.000 km de cabos submarinos
A procura da Internet é muito forte no continente, com um aumento de 50% do tráfego anual nas redes. Dezenas de milhares de quilómetros de cabos ópticos já passam ao longo da costa africana (no fundo do oceano), desde Tânger até ao Cabo da Boa Esperança e até ao Mar Mediterrâneo, através do Mar Vermelho.

Uma vez que chegue a terra, os dados transportados devem também encontrar uma rede de telecomunicações eficiente dentro do território. E isto é muitas vezes o que falta em muitos países do continente. O desafio agora é ligar as cidades costeiras às cidades do interior, o que provavelmente levará mais alguns anos.

isto acontece quando a Guiné-Bissau ainda anda longe destas aspirações, é como se o país nao tivesse necessidade ou estamos a parte da necessidade de estar no ecosistema. após o anuncio feito de que começava a funcionar apartir do ano 2020, nao faz que constar por escrito.

Na altura Rui de Barros, garantia que se reunia condições, “fez-se amarração do cabo submarino e falta concluir a construção da estação terrestre, na vila de Suru, arredores de sector de Prabis, região de Biombo, para garantir a transformação e propagação do sinal que virá do cabo”. dizia assim numa cerimónia de entrega da licença pela Autoridade Reguladora Nacional (ARN) ao Consórcio que iria instalar fibra ótica no país, na sede instituição em Bissau, que contou a presença duas empresas de telecomunicações, a Orange Bissau e a TMN.

na altura dizia Rui de Barros “ Está prevista conclusão das obras em fevereiro de 2020”,

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

Ligue-nos

Share on Social Media
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x