Com o Covid-19 sob controlo: A economia da China sobe em flecha

CAP-GB 19-10-2020 BISSAU

As exportações saltaram e os governos locais envolveram-se numa farra de projectos de construção alimentados por dívidas. Até as despesas de consumo estão finalmente a recuperar.
BEIJING – Como a maior parte do mundo ainda luta com a pandemia do coronavírus, a China mostra mais uma vez que é possível uma rápida recuperação económica quando o vírus é colocado sob controlo

A economia chinesa subiu 4,9% no trimestre de Julho a Setembro, em comparação com os mesmos meses do ano passado, o Gabinete Nacional de Estatística do país anunciou na segunda-feira. O desempenho robusto faz com que a China volte quase a atingir o ritmo de crescimento de cerca de 6% que registava antes da pandemia.

Muitas das principais economias mundiais subiram rapidamente das profundezas de uma contracção na Primavera passada, quando as paragens causaram uma queda abrupta da produção. Mas a China é a primeira a reportar um crescimento que ultrapassa significativamente onde estava nesta altura, no ano passado. Espera-se que os Estados Unidos e outras nações também registem um aumento do terceiro trimestre, mas ainda estão atrasados ou apenas a alcançar os níveis pré-pandémicos.

A liderança da China poderá alargar-se ainda mais nos próximos meses. Quase não tem transmissão local do vírus agora, enquanto os Estados Unidos e a Europa enfrentam outra onda acelerada de casos.

A vigorosa expansão da economia chinesa significa que ela vai dominar o crescimento global – representando pelo menos 30% do crescimento económico mundial este ano e nos anos vindouros, disse Justin Lin Yifu, conselheiro do gabinete e reitor honorário da Escola Nacional de Desenvolvimento da Universidade de Pequim, numa recente conferência de imprensa governamental em Pequim.

As empresas chinesas estão a representar uma parte maior das exportações mundiais, fabricando produtos electrónicos de consumo, equipamento de protecção pessoal e outros bens em grande procura durante a pandemia. Ao mesmo tempo, a China está agora a comprar mais minério de ferro do Brasil, mais milho e carne de porco dos Estados Unidos e mais óleo de palma da Malásia. Isto inverteu em parte uma queda nos preços das mercadorias na Primavera passada e suavizou o impacto da pandemia em algumas indústrias.

Ainda assim, a recuperação da China fez menos para ajudar o resto do mundo do que no passado, porque as suas importações não aumentaram quase tanto como as suas exportações. Este padrão criou empregos na China, mas colocou um travão ao crescimento noutros locais.

A recuperação económica da China também depende há meses de enormes investimentos em auto-estradas, linhas de comboios de alta velocidade e outras infra-estruturas. E, nas últimas semanas, o país assistiu ao início de uma recuperação do consumo interno.

Os ricos e as pessoas que vivem em províncias costeiras orientadas para a exportação foram os primeiros a começar a gastar dinheiro novamente. Mas a actividade está agora a retomar mesmo em lugares como Wuhan, a cidade central chinesa onde o novo coronavírus surgiu pela primeira vez.

com: nytimes

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x