Cinquenta jornalistas foram mortos este ano, de acordo com os Repórteres sem Fronteiras

Apesar da redução dos relatórios devido à pandemia de Covid-19, este número é estável em comparação com 2019. Mas a associação observa que estes jornalistas estão cada vez mais a ser mortos em países em paz.

O último relatório anual dos Repórteres sem Fronteiras, publicado a 29 de Dezembro, mostrou que o direito à informação está novamente a ser severamente violado em 2020. Um total de 50 jornalistas foram mortos em 2020 e cerca de 400 outros foram presos, segundo a organização, que realizou a sua contagem entre 1 de Janeiro e 15 de Dezembro. Este número é estável em comparação com os 53 jornalistas mortos no ano passado, apesar da redução do número de reportagens devido à pandemia de Covid-19, notas RSF. Ao longo de 10 anos, a associação contou 937 jornalistas mortos.

A organização de defesa da imprensa regista uma redução no “número de jornalistas mortos em zonas de guerra” mas cada vez mais assassinatos ocorrem nos chamados países pacíficos. 58% dos jornalistas mortos em 2016 foram mortos em zonas de conflito, em comparação com 32% este ano. Em 2020, 34 jornalistas foram mortos em países em paz, representando 68% de todos os repórteres mortos”, diz RSF.

Cerca de 400 jornalistas presos
O México é o país mais mortífero para a profissão com 8 mortos, seguido pela Índia (4), Paquistão (4), Filipinas (3) e Honduras (3). “Alguns deles foram mortos em condições particularmente bárbaras”, sublinha RWB. Como o jornalista mexicano Julio Valdivia Rodriguez do diário El Mundo de Veracruz, que foi encontrado decapitado no leste do país, e o seu colega Víctor Fernando Alvarez Chavez, editor-chefe de um site de notícias local, que foi cortado em pedaços na cidade de Acapulco.

Alguns membros do público consideram que os jornalistas são vítimas dos riscos da profissão, embora sejam cada vez mais atacados quando investigam ou reportam sobre assuntos sensíveis.

Christophe Deloire Repórteres sem Fronteiras secretário-geral
Dos 50 jornalistas mortos em 2020, 84% foram deliberadamente alvo e deliberadamente eliminados, em comparação com 63% em 2019. “O que está a ser minado é o direito à informação”, diz Christophe Deloire, Secretário-Geral da RSF. Cerca de vinte jornalistas de investigação foram mortos este ano: dez a investigar casos de corrupção local e desvio de fundos públicos, quatro a investigar a máfia e o crime organizado, e três a trabalhar em assuntos relacionados com questões ambientais.

Em meados de Dezembro, os Repórteres sem Fronteiras notaram um efeito pandémico com o aparecimento na Primavera de um “pico não negligenciável nas violações da liberdade de imprensa”, encorajado por “leis de emergência ou medidas de emergência adoptadas” na maioria dos países. E a associação disse que contava 387 jornalistas presos, “um número historicamente elevado. “A liberdade de imprensa está em declínio em todo o lado”, conclui a Federação Internacional de Jornalismo, que já contabilizou 2.658 jornalistas mortos em todo o mundo desde 1990.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x