CIDE muda paradigma a nível do concurso de TEF na Guiné-Bissau

O Secretário executivo do centro de incubação desenvolvimento empresarial, João Banjaqui, afirmou esta quarta-feira 17/03/2021 que a nivel de PALOP Guiné-Bissau é o país com mais números de apurados na candidatura TEF.

Joao Banjaqui

Banjaqui, deu testemunho do seu projeto que é a produção de primeiro chocolate marca guineense feito a base de castanha de caju denominado CAJULECA. Falou que é um produto já estudado e experimentado pela medicina, e agora estão a procura de país para o desenvolvimento do produto final.

Na sua elucidação, esclareceu que a colaboração do CIDE para tornar o empresário de TONY ELUMELU que é o seu principal parceiro, visa atingir os mais desfavorecidos e depois apresenta-los a ONG para subvenção.
De sublinhar que TONY ELUMELU é uma fundação africana sedeada em Nigéria, e trabalha em apoio a jovens desde 2015.

João, explicou que o primeiro ano que a Guiné-Bissau beneficiou do fundo foi em 2018 com um grupo de cinco jovens. E a partir daí, decidiram criar a incubadora para dar acompanhamento aos que pretendem se candidatar, e em cada ano aumenta o número dos candidatos.


E em 2020, apuraram num total de 114 jovens que desejam entrar no mundo de empreendedorismo, mas com a pandemia o programa foi adiado para este ano e neste preciso momento os selecionados estão a revalidar as suas candidaturas para a próxima fase. E para este ano 2021, já está em curso as inscrições e o CIDE está a receber jovens e orienta-los no processo e já apuraram 50 candidatos, e afirmou que o objetivo é superar o ano passado porque não há limitação nas candidaturas e nem nos apoios.

“ Esta é uma corrida para cinco mil dólares seguido de formações online, e acompanhamos os subvencionados na gestão dos fundos” revelou

Desta maneira, mesmo não conseguindo passar, já possui capacidade para a criação do seu projeto.

“ Nem todos os subvencionados conseguem implementar seu projeto, há outros ( na sua minoria ) que recebem os fundos e desligam do acompanhamento do CIDE” disse

Ainda, informou que este ano instalaram um custo de mil francos para o preenchimento de uma ficha de contrato com a incubadora, e serve para a sustentabilidade do projeto ( CIDE).

De frisar que, a incubadora foi criada em Maio de 2019 por um grupo de cinco jovens empreendedores guineenses, que participaram de alguns programas Africanas de incentivar empreendedorismo e liderança, e tem como objetivo de apoiar os jovens nas ideias de negócio e orienta-los para fundos de incentivo.

Autor: CAP-GB

Partilhe este artigo

cap gb o amanha começa aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante: