Black Friday: Sexta-feira negra em África entre a indignação e o e-shopping

Descartes disse: “Penso, portanto existo”. A Amazónia faz as pessoas dizerem “Eu gasto, por isso existo”.

Entre a indignação sobre a alegada origem escrava da expressão “Sexta-feira Negra” e o desejo franco de lucrar, como qualquer agente económico, com bons negócios, o coração da classe média africana está a valer. Mas de Dakar a Nairobi, para aceder às ofertas da grande venda de rua virtual do ano, que se realiza todos os anos na última sexta-feira de Novembro (excepto em França, onde o evento foi declarado este ano a 4 de Dezembro por causa do Covid-19), é necessário um cartão bancário compatível na Internet (cobrado até 60.000 francos CFA por ano em alguns bancos) ou uma conta Paypal (este último serviço americano considera a África subsariana como uma zona cinzenta, com acesso restrito). Em suma, as populações africanas, quando não são limitadas pelas suas políticas cambiais que, em nome da defesa das moedas nacionais e das reservas cambiais estrangeiras, são obrigadas a fazer acrobacias para navegar facilmente na web.

Entretanto, a Sexta-feira Negra ou a Black Friday, rebaptizada Sexta-feira Azul para poupar a sensibilidade de todos, sob o conselho de profissionais de comunicação, promete. O sobreconsumo estará no ponto de encontro, mas também o posicionamento de marketing das marcas que não perderão a oportunidade de promover os seus valores e destacar as suas políticas de RSE.

Por detrás do rebuliço da indústria do marketing, está a luta de David contra Golias, entre a distribuição em massa, liderada pela Amazon, mas também o Cdiscount em França, Jumia em África, e pequenos e-merchants que não terão muita margem de manobra para aplicar descontos até 88% para iscar a barcaça. Os pequenos comerciantes terão de ser pacientes uma vez que a Sexta-Feira Negra dura quase uma semana, contando com a Cyber Monday (30 de Novembro) e, em França, a famosa 4 de Dezembro, a Covid Black Friday.

Nascido nos Estados Unidos para qualificar as promoções oferecidas aos consumidores americanos no dia a seguir ao Dia de Acção de Graças, Black Friday é apelidado de “Crazy Friday” por Jumia nas margens da lagoa de Ebrié. Portanto, um brinde aos seus cartões.

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

Ligue-nos

Share on Social Media
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x