Atacar o Supremo Tribunal da Guiné-Bissau é atacar o próprio Estado

O presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, considerou hoje que atacar o Supremo Tribunal de Justiça da Guiné-Bissau é atacar o próprio Estado.

“Nós não achamos normal que se ataque o Supremo Tribunal de Justiça. Podemos não estar contentes com os juízes, com o trabalho que um ou outro juiz possa ter feito, mas não podemos atacar a sua casa [Supremo Tribunal]”, afirmou Domingos Simões Pereira.

Na terça-feira, o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse que há corrupção no Supremo Tribunal de Justiça e que já tem solução para os “bandidos” na mais alta instância judicial guineense.

Para o presidente do PAIGC, que falava numa mensagem na rede social Facebook, atacar o Supremo Tribunal de Justiça é “atacar o próprio Estado” e “quando desaparece o Estado entra a anarquia e aí começa a matança entre a população”.

“Quando Estado está na rua, já não é um Estado”, acrescentou Simões Pereira na mensagem.

CAPGB / Lusa

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x