ADULAI CANDÉ ESPECIALISTA EM F-A: O que é finanças islâmicas e como funciona?

As finanças islâmicas são uma maneira de fazer transações financeiras e bancárias, respeitando a lei ou a sharia islâmica. As finanças islâmicas praticamente não existiam 30 anos atrás, mas hoje é uma indústria de US $ 2,2 trilhões, com centenas de instituições especializadas localizadas em mais de 60 países. Os bancos islâmicos são os que dominam o setor financeiro islâmico e respondem por US $ 1,5 trilhão em ativos.

O financiamento islâmico representa apenas cerca de 1% dos ativos financeiros globais, mas com uma taxa de crescimento anual de 10% a 12%, está se expandindo mais rapidamente do que o financiamento convencional. Em algumas regiões, como o Golfo ou a África Subsariana, os bancos islâmicos agora competem diretamente com os bancos ocidentais para atrair clientes muçulmanos.

O que torna as finanças islâmicas especiais? Por que está crescendo rapidamente?

Empréstimo_sem_juros

A regra mais famosa das finanças islâmicas é a proibição de usura. Em termos econômicos, isso significa que credores e mutuários são proibidos de cobrar ou pagar juros ou riba. Os bancos que cumprem a sharia não emitem empréstimos com base em juros.

A pergunta óbvia então se torna: kuma gora ku Bancos Islâmicos tá ganha dinheiro? Em vez de emprestar dinheiro a seus clientes com lucro, eles compram o produto subjacente – a casa, o carro – e depois o alugam ou revendem em prestações ao cliente por um preço fixo geralmente superior ao valor inicial no mercado. A noção principal aqui é a partilha de riscos – os bancos lucram com a transação como recompensa pelo risco que assumiram com o cliente. Em vez de prosperar com as taxas de juros, os bancos islâmicos usam o dinheiro de seus clientes para adquirir ativos como propriedades ou negócios e lucrar quando o empréstimo é pago com sucesso.

Todos os investimentos, aquisições e transações financeiras islâmicas devem refletir os valores islâmicos. É estritamente proibido lidar com qualquer coisa ilícita (haram) como produção de álcool, criação de suínos, fabricação de armas ou jogos de azar.

Importa Salientar que, a lei islâmica sustenta que ganhar dinheiro com dinheiro é errado, instituições que respeitam a sharia tendem a abster-se de se envolver em especulações. Tradicionalmente, evitam instrumentos derivativos, como futuros ou opções, e preferem ter ativos fundamentados na economia real.

Isso protegeu substancialmente os bancos islâmicos da crise financeira de 2008. Diferentemente de suas contrapartes convencionais, os bancos compatíveis com a sharia não estavam envolvidos com ativos tóxicos e resistiram melhor ao choque.

“A adesão aos princípios da sharia – que impedia os bancos islâmicos de financiar ou investir no tipo de instrumentos que afetaram adversamente seus concorrentes convencionais – ajudou a conter o impacto da crise nos bancos islâmicos”, concluiu um relatório do FMI de 2010.

Aqui estão alguns dos principais produtos compatíveis com a sharia oferecidos pelos bancos islâmicos:

Murabaha : este é o produto mais comum nas carteiras de ativos e aplica-se apenas à compra de mercadorias. Em vez de contrair um empréstimo de juros para comprar algo, o cliente solicita ao banco que compre um item e venda para ele a um preço mais alto em prestações. O lucro do banco é determinado previamente e o preço de venda não pode ser aumentado após a assinatura do contrato. Em caso de pagamento atrasado ou padrão, opções diferentes estão disponíveis, incluindo garantia de terceiros, garantias colaterais sobre os pertences do cliente ou uma taxa de penalização a ser paga a uma instituição de caridade islâmica, uma vez que não pode inserir as receitas do banco.

Ijara ou leasing: em vez de emitir um empréstimo para um cliente comprar um produto como um carro, o banco compra o produto e o aluga ao cliente. O cliente adquire o item no final do contrato de locação.

Mudarabah: investimento no qual o banco fornece 100% do capital destinado à criação de um negócio. O banco possui a entidade comercial e o cliente fornece gerenciamento e mão-de-obra. Eles compartilham os lucros de acordo com uma proporção pré-estabelecida que geralmente é próxima de 50/50. Se o negócio falir, o banco sofrerá todas as perdas financeiras, a menos que seja provado que foi culpa do cliente.

Musharakah: um investimento envolvendo dois ou mais parceiros nos quais cada parceiro gera capital e administração em troca de uma parte proporcional dos lucros.

a) Parceria decrescente: O banco e o investidor adquirem conjuntamente um imóvel. Posteriormente, o banco transfere gradualmente sua parcela do patrimônio da propriedade para o investidor em troca de pagamentos.

b) Musharkah permanente: Esse tipo não tem uma data de término específica e continua em operação enquanto as partes participantes concordarem em continuar as operações. Geralmente, é usado para financiar projetos de longo prazo.

Sukuk ou títulos: os títulos compatíveis com a Sharia começaram a ser emitidos nos anos 2000 e padronizados pela AAOIF ( Accounting and Auditing Organization for Islamic Financial Institutions ) – uma instituição sediada no Bahrein que promove regulamentações compatíveis com a sharia desde 2003. Hoje, cerca de 20 países usam este instrumento. A Malásia é o maior emissor e os emissores fora dos países islâmicos incluem o Reino Unido, Hong Kong e Luxemburgo.

ADULAI CANDE

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x