Acnur envia material a escolas na Guiné-Bissau para combater pandemia

Equipamentos foram entregues à duas escolas na Região de Cacheu onde decorre campanha de sensibilização sobre a pandemia; Agência da ONU qualifica o país de exemplo positivo na integração dos refugiados; processo de naturalização de 8 mil refugiados será concluído no início de 2021.

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, colocou à disposição de duas escolas em São Domingos, Região de Cacheu, no norte da Guiné-Bissau, mobiliários e equipamentos informáticos para combater a pandemia. A ajuda faz parte do projeto de apoio a educação e insere-se no âmbito da luta contra a Covid-19.

Sensibilização

No mesmo quadro, o Acnur vai despertar, até 15 de novembro, a consciência dos alunos, pais, encarregados de educação e técnicos de saúde numa ação de sensibilização que envolve também militares, paramilitares e policiais. 

Falando à ONU News em Bissau, a chefe do Escritório do Acnur no país, Eunice Queta Esteves, explicou como os equipamentos foram distribuídos e sobre as escolas beneficiadas. 

“HCR selecionou duas escolas em são Domingos, uma pública e uma privada. Cada escola recebeu cinco computadores, cinco portáteis, 10 headphones, duas impressoras completas, para além de seis mesas, 12 cadeiras. Vamos apoiar a nível da instalação de internet, vamos pagar por um ano, para além dos painéis solares”.

O Acnur cobre 95 aldeias na região de Cacheu e a Manitese, uma entidade parceira de implementação cobre 34 sendo as restantes apoiadas pela Comissão Nacional para os Refugiados.

Naturalização

A agência pretende retomar, durante os meses de novembro e dezembro, a distribuição de produtos da primeira necessidade, de higiene e kits de sensibilização para a prevenção da pandemia. Os trabalhos que vinham decorrendo entre maio e junho, foram suspensos devido as imposições restritivas da Covid-19.  

No mesmo período, o Acnur conta retomar também o processo de registo dos cerca de 1,9 mil dos 8 mil refugiados identificados para o efeito de naturalização. A parceria com a Comissão Nacional dos Refugiados e o Governo guineense remonta de 2017, quando foi assinado o despacho que confere naturalização a todos os refugiados que se encontram no país.

Eunice Queta Esteves realça a necessidade de haver uma integração plena dos refugiados na sociedade guineense.

“Eles foram bem recebidos, agora há que continuar para que eles sejam autónomos e os seus direitos sejam respeitados e que saibam que têm obrigações que têm que cumprir. Temos que fazer a integração plena que passa por uma maior sensibilização a população agora naturalizada, apoiá-los em negócios que gerem rendimentos para que possam ser autossuficientes”.  ONU News/Alexandre SoaresSede da Associação dos Amigos da Criança, Amic, na Guiné-Bissau

Conflito

Embora haja cidadãos da Serra Leoa, da Cote d’Ivoire ou Costa do Marfim e Burundi, o grosso dos refugiados é constituído por cidadãos senegaleses que fugiram das hostilidades entre o governo e o Movimento das Forças Independentistas do Casamansa na zona sul do país Africano.

“Muitos destes refugiados vivem no país já há muito tempo e sempre foram bem acolhidos pelos chefes das tabancas que os concederam parcelas de terra onde vivem e cultivam”, disse a líder do Acnur. A preocupação é o novo fenómeno de conflito de posse de terra que, em alguns casos, opõe os refugiados aos antigos ocupantes. 

Sabe-se também que os refugiados recebem apoios com atividades geradoras de rendimento como a agricultura, horticultura, avicultura e escoamento de produtos.

Existe ainda uma assistência financeira a 12 refugiados para a formação superior nas faculdades do país e o estudo das línguas: português, francês e inglês.  

 
 ONU News

Comentarios
estámos no facebook

cap gb o amanha começa aqui

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Subscreva email noticias cap-gb

capgb info email seja assinante:

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ligue-nos

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x